Que dia!

E naquele dia frio tudo parecia se encaixar. Me levantei da cama disposta a tirar a poeira do meu quarto e arrumar a bagunça que as coisas que já não me serviam mais estavam fazendo.

Em seguida, entrei de cabeça num banho gelado. Nunca havia percebido/sentido a beleza de um. Faz-se despertar teu interior completamente.

Naquela tarde cozinhei. Cantei na frente do espelho quando a louca que há em mim apareceu. Ao som da música mais deprimente, me inspirei e escrevi. Dei um abraço sincero e aconchegante em minha mãe. Peguei o telefone e liguei para um amigo, conversamos por horas, mas nem pareceu. Assisti mais uma vez meu filme favorito, repetindo as falas já entonadas na minha cabeça. 

E, então, deitei para dormir. Mas antes que isso pudesse acontecer, e como já é de costume, a mente começou a brilhar, soltar faíscas, até perceber que faltara algo em tudo aquilo.

Você não havia feito parte daquele dia. E eu não percebi.

Eu havia sido feliz naquele dia, como há muito não era. E, sim, eu percebi. 

Fora a partir daquele instante que pude enxergar que pequenas paixões, uma vez unidas, podem se tornar uma só, uma enorme paixão, e pra vida inteira.